ENGANO

Ela não conseguia entender a razão real para o desentendimento entre eles... tudo começara porque ele dissera que precisava de um tempo para contar a sua família sobre eles; e tudo sobreviera em um crescente... pequenas coisas eram motivo para discussão. E os poucos momento roubados em que se encontravam escondidos eram desperdiçados dessa forma!

Naquele dia, ela não suportava mais, precisava de uma definição por parte dele.

Encontraram-se no meio da clareira entre o cais dos barcos e a floresta, nas terras do pai dele.

Quando ela o viu, correu para ele; abraçaram-se, beijaram-se e ela achou que tudo estava bem!

Mas ele a olhou de um jeito estranho e a acusou de estar pressionando-o... que ela tinha de respeitar a vontade dele de aguardar o momento certo.

Momento certo? Há muito ela ouvia sempre isso!

Não, não suportaria mais... ela levanta-se da pedra onde estava sentada e grita para ele que não quer vê-lo nunca mais! Ele responde com palavras ásperas sem sequer tentar acalmá-la... ela se volta e corre para longe dele sem se voltar para trás.

Ele a olha se distanciar como quem não acredita no que estava acontecendo.

Nesse momento ele sente a presença estranha nas suas costas... volta-se e vê o homem mal encarado com a arma apontada para ele.

Recebe o tiro sem nem sequer sentir a dor...

No último instante de lucidez de seu cérebro estupefato, ele pensa que ela se voltou e fugiu porque tinha visto o homem com a arma e nem tentara avisá-lo... ela o matara!

Após atirar, o homem foge. E a mulher que estava escondida no mato sai correndo e gritando: ele chegou depois que ela se voltou, quando ela já estava correndo! Ela não o viu! Ela não o viu!

Mas os ouvidos dele já não ouviam mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico feliz por você deixar sua opinião - ela é muito importante para mim!
Muita luz e amor
mirna