Consciência


Quando o sol sobre o mar
se fizer incógnito
escondido nos químicos jogados no ar;
Quando dos pássaros o diário louvor
se fizer mudo
enterrado no desmate sem pudor;
O que será de nós, poetas?
Quando animais de formas mil
se fizerem em extinção
trocados por ganância vil;
O que será de nós, poetas?...
Cantaremos apenas a dor?...
Rimaremos, então, com o horror?...
Ah, o que será de nós, poetas,
quando a beleza se for?...

2 comentários:

  1. Olá Miluz...

    Deixe-me fazer-lhe duas perguntas:
    Se tudo acontecer, haverá razão para nós poetas, escrevermos?
    Se tudo acontecer,iremos nós poetas escrever sómente a dor?
    Esperemos, minha amiga, que nada disso aconteça,
    porque a poesia só de dores, perderia o seu
    encanto.
    Lindo e objectivo este seu poema.

    Um beijo

    Alvaro

    ResponderExcluir
  2. Mirna, parabéns. Quanta sensibilidade. Me emocionei e me encntei com suas poesias...Lindas!!

    Beijos
    leniMota
    (dihitt)

    ResponderExcluir

Fico feliz por você deixar sua opinião - ela é muito importante para mim!
Muita luz e amor
mirna